sexta-feira, 7 de março de 2008

Erros meus, má fortuna, amor ardente

Erros meus, má fortuna, amor ardente
Porque é que o sofrimento afasta a luz;
Como uma cruz,
Sentimento escondido, dia esquecido, momento descontente

O céu da felicidade está nublado
Só as gaivotas pairam no ar
Nesse momento ninguém se atreve a falar
Apenas a inquietação mora lado-a-lado

Por vezes, os sentimentos são indispensáveis
Tudo parece nada
E a vida é um mar vasto de oportunidades

Porquê com os erros aprender,
E com a Fortuna perceber da pior maneira que nada provém dela?
Será que sabemos viver?

Realizado por: Raquel Leal

Nota: O título deste soneto é de um soneto do célebre Luís Vaz de Camões.

1 comentário:

J. disse...

Oh, fogo Raquel!

"Porquê com os erros aprender,
E com a Fortuna perceber da pior maneira que nada provém dela?
Será que sabemos viver?"

Como isto é verdade. Nós não sabemos viver. E eu cada vez sinto mais que a vida me está a passar pelas mãos, e eu não a consigo agarrar.
Será só impressão minha?


(O que vale é que tenho a amizade de pessoas maravilhosas como tu no meu coração. Para sempre)

Beijinhos *